1/3

EXAME DE RAIO-X DIGITAL DE TÓRAX

A radiografia (de rádios: radiação e grafos: imagem ou desenho) de tórax é um dos procedimentos diagnósticos mais solicitados, tanto em pacientes hospitalizados quanto nos pacientes de consultório. 

ATENÇÃO: MULHERES GRÁVIDAS OU COM SUSPEITA DE GRAVIDEZ DEVEM AVISAR À ATENDENTE ANTES DE AGENDAR O EXAME.

EXAMES DE RAIO X DE TÓRAX
Cod. AMB: 4.08.05.00-0
 

O que é?

Os raios X são radiações especiais que têm a capacidade de atravessar os tecidos do corpo humano, proporcionando informação valiosa sobre nossa constituição interna.

Os raios X foram descobertos em Wyrzburg, Alemanha por Sir Wilhelm Conrad Rsentgen, em 1895. O nome "X" resulta do fato da descoberta ter ocorrido por acidente, sendo que o pesquisador não conseguiu explicar sua origem.

As primeiras imagens do tórax foram obtidas pelo médico britânico John Macintyre em 1896, iniciando uma nova era no estudo das patologias pulmonares.

A radiografia (de rádios: radiação e grafos: imagem ou desenho) de tórax é um dos procedimentos diagnósticos mais solicitados, tanto em pacientes hospitalizados quanto nos pacientes de consultório. É uma das técnicas mais baratas, rápidas, fáceis de realizar e que brindam informação inicial suficiente e muitas vezes definitiva ao médico solicitante. Além disso, sua versatilidade está na possibilidade de efetuar o procedimento com equipamentos portáteis, deslocados para o local que se encontre o paciente.

Qual a indicação de se realizar uma radiografia de tórax?

A radiografia de tórax tem duas funções principais: descobrir e orientar na busca de um diagnóstico para o paciente. Os achados mais freqüentemente encontrados em uma radiografia de tórax são descritos abaixo:

 

-Fraturas ósseas

 

-Corpos estranhos, tumorações, e inflamações de partes moles.

 

-Derrame pleural e outras alterações pulmonares (pneumotórax, atelectasias).

 

-Alterações em vias áreas principais.

 

-Problemas cardíacos.

EXAMES REALIZADOS
EXAMES REALIZADOS

Quais instruções devem ser dadas para a realização de uma radiografia?

 

As manobras respiratórias e as posições do paciente modificam a interpretação diagnóstica. O exame deve ser realizado com o paciente em inspiração profunda, mantendo as bordas inferiores dos pulmões na altura do décimo arco costal, evitando assim a horizontalização e, conseqüentemente, a interpretação errônea de aumentos do eixo transverso do coração. A inspiração profunda é importante para abaixar o diafragma o máximo possível, permitindo assim que os pulmões fiquem cheios de ar, facilitando sua visualização completa.

O paciente deve ficar ereto, sem rotações laterais, e as clavículas devem ficar eqüidistantes da coluna vertebral, com as extremidades internas na altura do quarto ou quinto arcos costais.

A radiografia é realizada com o paciente sentado ou de pé, com o peito contra a placa radiográfica. No entanto, em pacientes graves, a radiografia pode ser realizada com o paciente deitado, e com a radiografia colocada em suas costas. Esta posição mostra o tórax de frente. Outras projeções freqüentes são o perfil e a posição obliqua.

 

Quem interpreta ou efetua o laudo radiológico?

Embora uma interpretação mais adequada é a realizada por um radiologista, qualquer médico pode interpretar uma radiografia de tórax (figura 1). Os pulmões, devido ao fato de conterem ar, aparecem de cor negra na radiografia. As partes moles como a pele, gordura e músculos aparecem em várias tonalidades de cinza, segundo sua espessura. Os ossos, que não podem ser atravessados pelos raios X, são vistos de cor branca. Como resultado, a chapa radiográfica é semelhante ao negativo de uma fotografia.

As interpretações podem depender da técnica empregada. Quantidades de cargas inadequadas modificam a qualidade radiográfica. Cargas excessivas tornam as radiografias escurecidas, dificultando a análise da vasculatura pulmonar. Cargas insuficientes tornam as radiografias esbranquiçadas, dificultando a análise dos seios costofrênicos laterais.

A região central corresponde ao mediastino, e contêm as seguintes estruturas: veia cava superior: (vcs), átrio direito: (ad), veia cava inferior: (vci), botão aórtico: (ba), tronco da artéria pulmonar: (ap), parte do átrio esquerdo e finalmente, o ventrículo esquerdo: (vi).

Endereço: Avenida Amazonas, n° 314, sala 1607, Centro - Belo Horizonte  |  Esquina com Praça Sete.

Tel.  (31) 3646-2423 | 3044-5586